[KINDLE] ❁ Caderneta de Cromos ❅ Nuno Markl – Uroturk.info

Caderneta de Cromos Se quiserem ler um livro para rir este o ideal Com o humor nico de Nuno Markl, ficamos a conhecer os cromos que marcam as gera es dos anos 70 80 Ficamos a conhecer viv ncias, realidades e mem rias Relembrei muitas coisas engra adas da minha inf ncia e passei ptimos momentos na companhia deste livro At dei por mim a rir em locais p blicos Os cromos que mais me marcaram desta caderneta Foram v rios mas destaco na categoria da comida O p os famosos gelados em forma de p com um irresist vel sabor a morango , os sugus , o tulicreme brincadeiras o jogo o el stico , o dragabolas Programas de Tv a s rie Dallas , o dartac o M sica onda choc e ministars e Modern Talking Podia nomear muitos e muitos mais cromos Mas estes foram os meus preferidos E tenciono ler mais livros do Nuno Markl A n o perder sobretudo se quiserem dar uma ou v rias gargalhadas O programa radiof nico O Homem Que Mordeu o C o marcou o final da minha adolesc ncia, de tal modo que mesmo quando estava de f rias punha o despertador a tocar para poder ouvir as duas sess es di rias, pouco antes das 9 e das 10 Foram bons tempos, na companhia de Nuno Markl, Pedro Ribeiro, Jos Carlos Malato e Ana Lamy, sendo estes dois ltimos mais tarde substitu dos pela Maria de Vasconcelos Confesso que desde que o Nuno Markl se mudou para a Antena 3 e, agora, para a R dio Comercial, n o o tenho acompanhado como dantes, porque n o achava tanta gra a aos novos modelos de programa radiof nicos Tamb m n o acompanhei o programa Caderneta de Cromos , mas devido tem tica e porque teve tanto sucesso, decidi comprar o livro.O livro re ne nas suas p ginas os textos que deram origem s v rias emiss es desse programa, com duas p ginas por texto, num total de 100, constituindo cada um deles um regresso ao passado e s v rias coisas que marcaram as pessoas que cresceram nos anos 70 e 80 Os textos encontram se divididos de acordo com o g nero de cromo em causa coisas que us mos, coisas que comemos, coisas com as quais brinc mos, coisas que v amos na televis o, coisas que ouv amos E foi muito bom recordar Houve alguns cromos dos quais n o me lembro porque estiveram em voga antes de nascer ou quando era muito pequena especialmente na parte dos programas de TV , mas da maioria tenho boas lembran as Ficam saudades, por exemplo, do programa Agora Escolha ou do Dartac o , das pastilhas Gorila, de brincar ao el stico ou da aut ntica aventura que era tentar apanhar na r dio a m sica que tanto gost vamos para a gravar numa cassette e da raiva que dava quando o locutor falava por cima da m sica.N o deixa de ser um exerc cio interessante comparar a minha inf ncia e as coisas com que brincava ou passava o meu tempo com o que ocorre nos dias de hoje N o vou dizer que tive uma inf ncia melhor do que as crian as de hoje, foi apenas diferente Certamente que daqui a alguns anos, tamb m as crian as de hoje recordar o as suas inf ncias com nostalgia face ao que existir nessa altura Este livro tem o cond o de nos fazer viajar a uma poca em que ramos completamente felizes e pouca no o t nhamos disso Valeu pelas recorda es. A Enciclop Dia Definitiva Sobre O Que Nos Deliciava Nos Anos E Mais Saud Vel Do Que Um Granizado F , Embora Deva Ter A Mesma Quantidade De Tinta Em O Homem Que Mordeu O C O, Nuno Markl Contou Hist Rias Muito Bizarras Mas Haver Hist Ria Mais Bizarra Do Que Crescer Nas D Cadas De E Dos Microfones Da R Dio Comercial Para As P Ginas Profusamente Ilustradas Desta Edi O, Eis A Caderneta De Cromos Reunindo Uma Centena Dos Mais Bomb Sticos E Inesquec Veis Cromos Da Nossa Inf Ncia E Juventude Uma Colec O Que Responde A Quest Es Pertinentes Como Samantha Fox E Kim Wilde Qual Delas Para Casar Qual Delas Para Coiso Quantas Maneiras Havia De Comer Bolachas Belinhas Usar Um Casaco Branco Igual Ao Do Don Johnson No Miami Vice Resulta Na Vida Real Quando Se Caixa De Culos De Que Forma Os Kalkitos S O Uma Met Fora Para As Rela Es Sexuais Sem Amor Porque Que O Fizz Lim O O D Sebasti O Da Ind Stria Dos Gelados Como Se Resolve, Afinal, O Cubo M Gico Gostava Muito De Ajudar Nesta Parte, Mas Ainda Hoje N O Fa O Ideia N o me considero de todo um saudosista e muito menos utilizo express es do g nero quando eu era mi do Sou da opini o que cada gera o tem as suas coisas boas e coisas menos boas obviamente.Acredito piamente que daqui por 20 anos esta gera o Play Station, ter seguramente muitas coisas engra adas e quase pr hist ricas para contar e relembrar.Nasci cinco anos antes da chegada dos anos 80 e lembro me bem de quase tudo o que nos foi re lembrado, nesta verdadeira Caderneta de Cromos quase autocolantes, foi com muito carinho que me voltei a lembrar de tantos objectos, momentos, guloseimas, m sicas e muita patifaria que eu e alguns amigos t o patifes quanto eu fazia mos na escola ou nas nossas brincadeiras de rua.Este livrinho valeu s por si as boas lembran as de alguns momentos que estavam adormecidos nos rec ndidos das minhas mem rias de inf ncia.Costumo ouvir com alguma frequ ncia a rubrica de Nuno Markl na r dio Comercial que acho bastante engra ada, n o especialmente pelo seu autor, mas pelos colaboradores que d o sempre opini es que depois acabam por gerar conversas bem dispostas acerca do cromo do Dia, embora seguindo um texto pr defenido, conseguem sempre improvisar e fazer soltar alguns sorrisos que de vez em quando se transformam em gargalhadas Cardeneta de Cromos come a por ler se com bastante entusiasmo, parando por momentos neste ou naquele cromo que nos traz uma recorda o mais acesa e do qual tamb m n s tivemos algum momento feliz com aquele boneco, mas rapidamente me apercebi que s mudavam os cromos e para mim come ou a tornar se bastante repetitivo, ficando com a sensa o de que Nuno Markl, muitas vezes se torna repetitivo, andando s voltas com as piadas quase tiradas a saca rolhas e que muitas vezes fiquei com a sensa o de que o autor n o sabia do que estava a falar e de que se limitou a fazer v rias pesquisas pela internet ou apanhando esta ou outra conversa, limitando se a dar lhes uma continua o, n o me convencendo em muitas das situa es descritas que supostamente ter vivido enfim opini es e impress es minhas.Ah j agora, o nico cromo que me fez lan ar uma valente gargalhada foi o texto acerca das fantasias de natal, sobre este boneco lembrei me ainda que em minha casa a minha m e costumava pendur las na rvore de natal e costumavam ser divididas no dia de reis quando desmanchava mos a rvore, mas qual era a surpresa da minha m e quando descobria que s havia meio chocolate, pois o resto j tinha marchado no comboio com o pai natal o coelhinho em direc o ao circo.P.S Nunca gostei do Fizz lim o, acho que o Nuno Markl teria prestado um melhor servi o p blico em fazer regressar o Popsi ou o Pena Doce isso sim que eram gelados lol Depois de 10 ser es a rir me e a sentir por vezes tamb m um bocadinho de nostalgia, acho que se tem de exigir ao Nuno Markl que comece a pensar no segundo volume da sua e nossa Caderneta de cromos.Anyway, esta j me encheu as medidas Para al m das coisas de que me lembro muitas vezes como o Dartac o, os granizados F ou o Agora escolha , outras trouxeram superf cie mem rias h muito enterradas e outras que julgava que s eu as tinha Este o meu best of desta edi o as Belinhas a descri o da sensa o de tirar uma Belinha do pacote e virem 6 ou 7 coladas umas s outras perfeita E sim, tamb m eu as comia como se um naco de p o se tratasse a Cola Cisne a prop sito de muitos da minha gera o experimentarem comer esta cola porque era docinha , Markl refere algo que eu j estou farta de contar mas em que at hoje ningu m acreditava o truque de mordermos as pontas dos l pis de cor para colorir as pastilhas el sticas que mastig vamos Sim, eu fazia isto na prim ria E pelos vistos mais gente tamb m o jogo do Sabich o aquilo funcionava mesmo, e nunca perdeu a magia at Markl contar como conseguia baralhar o boneco Afinal, era tudo uma quest o de magnetismo os bichos da seda e os grilos durante os poucos anos que mediaram at convencermos o meu pai a ter um gato em casa, por l tamb m passaram estes dois esp cimes Ainda me lembro do desgra ado do grilo dentro da min scula e rid cula gaiola de pl stico, e de noite o metermos na cuba da m quina de lavar roupa para n o o ouvirmos a grilar os Kalkitos este daqueles entretenimentos que tenho a certeza de que ainda hoje usaria se ainda existissem Mas o que passou pela cabe a de algu m para os descontinuarem os Estrumpfes tinha tantos e j n o sei de nenhum os jogos eletr nicos port teis tinha um tio que estava sempre na vanguarda destas coisas, e como eu adorava jogar a estes precursores das PSP e afins Acho que ainda hoje conseguiria ajudar o canalizador que corria com um balde para apanhar gotas ca das dos canos as borrachinhas de cheiro e as folhinhas queridas coleccionava as s centenas, e nesta campo era alvo de algumas invejas as perneiras usei as muito e bastante coloridas, tricotadas pela minha m e ou pela minha av , e anseio pelo dia em que voltar o a estar na moda os autocolantes na janela os meus n o eram colados na janela, mas em toda a mob lia, autocolantes min sculos vindos na Bravo e que completavam a decora o do meu quarto, forrado de posters em todas as paredes e at no tecto sim, no tecto estava o Michael J Fox com o seu c o que at era parecido com o meu os Jogos sem fronteiras no ver o n o perd amos uma emiss o, e lembro me bem de uma vez, no Algarve, irmos visitar um cen rio que tinha servido para os jogos do ano anterior Estava tudo desfeito e at um pouco podre, mas que emo o os livros da Anita a do ura das ilustra es e a beleza das hist rias encantaram me horas a fio Julgo que ainda devem estar guardados no consult rio do meu pai Espero que sim O Monstro da Lagoa Negra disto, lembro me apenas dos culos de papel e acetato e de uma imagem em 3D de peixes dentro da lagoa E de mais nada os Onda Choc e os Ministars eles eram modernos e eu, secretamente, tamb m o queria ser. Falado Escrito com intelig ncia e muito sentido de Humor D Come ou em Novembro de 2009, na R dio Comercial, com o Nuno Markl a rubrica Caderneta de Cromos , um registo de mem rias dos anos 80 que tomou tais propor es que Nuno Markl, juntamente com Patr cia Furtado e a editora Objectiva lan aram um livro com 100 cromos dessa caderneta radiof nica.Ouvia, e ainda ou o, religiosamente esta rubrica todas as manh s porque muitas daquelas mem rias fazem parte da minha inf ncia apesar de eu j ter nascido a meio dos anos 80, que as inova es demoravam a chegar aldeia e muitas das coisas que Nuno Markl conta do in cio dos anos 80, aconteciam na minha aldeia no final dessa d cada Al m disso eu tenho um irm o 8 anos mais velho e muitas das coisas que eu n o me lembro, lembra se ele.Foi lan ada uma pr venda na FNAC e nessa altura encomendei o livro, tendo os cromos coloridos como oferta e um tubo de cola cisne No meu tempo os cromos j eram auto colantes e por isso esta hist ria de ter de colar os cromos com cola toda uma novidade para mim.Comecei a col los e a ler cada cromo, por assim dizer, uma vez mais pois ouvi os todos desde o in cio N o colo mais do que aqueles que leio e talvez por isso ainda s tenha colado lido 1 3 do livro, a minha obra inacabada Vou ter cromos para colar at ao Natal.Este livro uma esp cie de um legado que se deixa aos filhos, para eles saberem como foi a inf ncia dos pais e dos tios.Que dir o eles quando um dia lhes contar metade das porcarias que com amos, ou as brincadeiras que t nhamos que frequentemente metiam pedras, paus, rvores, sangue nos joelhos e s vezes cabe as abertas A julgar pelos padr es de hoje, a nossa inf ncia l na aldeia foi todo um atentado sa de infantil Naquela altura nem havia telem veis, vejam l , e os nossos pais deixavam nos sair de casa ao s bado depois de almo o e aparecer em casa j lusco fusco depois de muitas brincadeiras, arranh es, quil metros a andar de bicicleta, muitas rvores trepadas, fruta roubada, muitos campos de milho estragados que serviam de cen rio ao jogo das escondidas e espalhos no ribeiro que passava por l Cada s bado era uma aventura sem planos, faz amos o que nos dava na rela gana Como sobrevivemos Houve cabe as abertas, bra os partidos, cicatrizes a dar com pau e muitas outras dores Cri mo nos, o que A nica coisa de que tenho pena de as crian as dos dias de hoje j n o terem a liberdade e a alegria que t nhamos enquanto jog vamos s escondidas de bicicleta pela aldeia, nos escond amos nas valas de gua, escorreg va mos nos montes de areia branca no pinhal e apanh vamos tojeiros pelo caminho, apanh vamos bichos na lagoa e tantas outras actividades que tinham tanto de divertido como perigoso. h muitos anos que acompanho o trabalho de Nuno Markl Sou seu f desde O homem que mordeu o c o , que tantas vezes me acompanhou a caminho da faculdade Um programa da R dio Comercial que contava ainda com Ana Lamy e Jos Carlos Malato.Passados alguns anos, eis que volta Nuno Markl a fazer me companhia Desta vez a caminho do trabalho O novo programa chama se Caderneta de Cromos e tem o dom de me fazer viajar ao volante do meu autom vel pelas mem rias dos anos 80 Uma viagem dentro de outra viagem Para al m do pr prio Nuno Markl, fazem ainda parte do programa Pedro Ribeiro, Vanda Miranda e Vasco Palmeirim Quando ouvi o primeiro cromo, em poucos segundos fiquei f da m sica de David Fonseca que d in cio ao programa Poucos minutos depois j era f da caderneta e ao fim alguns dias j era comum chegar ao trabalho e ter os colegas a falar sobre o cromo do dia.Para quem nunca ouviu na r dio, a Caderneta um flashback aos anos 80 Desde m sicas, filmes, comidas, objetos, tudo o que marcou esta d cada tem lugar na caderneta Quem n o se lembra das praias portuguesas terem uma bola de N vea que servia de ponto de encontro Quem n o trauteou o Chico Fininho Quem n o viu o Rambo O livro a transcri o destes programas e garanto vos imposs vel l lo sem ter um sorriso atr s da orelha Cada cromo funciona quase como uma inje o de boa disposi o Por isso mesmo optei por ir lendo um cromo de vez em quando, semelhan a das originais cadernetas em que se iam obtendo os cromos a pouco e pouco.Nuno Markl um excelente contador de hist rias e nesta tem tica joga em casa Sente se que conhece bem cada um dos cromos e fala deles com carinho e saudade Este livro faz as del cias de todos os que se encontram entre os 30 e os 40 anos, mas mesmo quem n o viveu nos anos oitenta facilmente se apaixona pelas suas hist rias.Vou apenas destacar um cromo, Videoclubes , pois acho um excelente exemplo do que o livro tem para oferecer Assim, aconselho que caso passem numa livraria leiam este cromo. Este livro uma verdadeira viagem aos recantos mais obscuros da mem ria de todos os que foram mi dos e adolescentes nos anos 70 e 80 Diverti me muito a recordar coisas como o jogo do bate p e as pastilhas Pirata. t o bom relembrar a nossa inf ncia e juventude.Um livro enciclop dia bastante completo, com um trabalho de pesquisa intenso.Muito momentos de divers o e risos em cada virar de p gina.Adorei e agora come ar a ler Caderneta de Cromos Contra Ataca.


About the Author: Nuno Markl

Nuno Frederico Correia da Silva Lobato Markl nasceu em Lisboa, a 21 de Julho de 1971, no Hospital da Cruz Vermelha Com apenas 4 anos j fazia as suas pr prias bandas desenhadas, servindo se de uma mir ade de personagens para dar alma s suas hist rias At que aos 10 anos de idade surgiu uma paix o ainda mais forte a r dio E foi precisamente com esta idade que come ou as suas emiss es radiof ni


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *